quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

A casa


Disse-te: uma casa.
Não falávamos há meses e isto
foi tudo o que te soube dizer:

uma casa, tenho uma casa.
Arrumei primeiro os discos, depois os filmes,
só então os livros, as loiças.
Como quem se abrigasse da chuva,
pendurei os primeiros quadros.
Quatro: estrada, mar, mulher, coração.
Começou a chover quando me perguntaste
se te convidava para jantar.
Era desnecessariamente Julho
e dentro de casa chovia tanto.

Disse-to, confesso, sem esperança
- apenas porque uma casa
é muito grande para guardar na boca.

Filipa Leal

4 comentários:

Laura Ferreira disse...

belíssimo.

deep disse...

:)

© Piedade Araújo Sol disse...

uma boa escolha.
Já vi que gostas da Filipa Leal, eu também gosto!
beijinho
:)

deep disse...

Muito, Piedade! :)

Beijinho