segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Canção dos romances perdidos

Oh! o silêncio das salas de espera
Onde esses pobres guarda-chuvas lentamente escorrem...
O silêncio das salas de espera
E aquela última estrela...

Aquela última estrela
Que bale, bale, bale,
Perdida na enchente da luz...

Aquela última estrela
E, na parede, esses quadrados lívidos,
De onde fugiram os retratos...

De onde fugiram todos os retratos...

E esta minha ternura,
Meu Deus,
Oh! toda esta minha ternura inútil, desaproveitada!...


Mario Quintana

6 comentários:

Laura Ferreira disse...

adoro...

deep disse...

:)

Isabel disse...

Olha!! Só hoje é que descobri que tinhas outro blogue!!!
Já o tens há muito? Fui espreitar a tua nova foto, no perfil (gosto da foto) e vi que tens outro blogue!!!

Bom domingo...beijinhos:)

deep disse...

Olá, Isabel!

Este blogue, que actualizo raramente, existe desde 2008. É uma espécie de arquivo sobretudo de poesia.

Obrigada!

Boa semana. :) Beijinhos

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Sublimes palavras de Mário Quintana!
Abraço

deep disse...

É certo, Rui! :)

Abraço